Sexta-feira, 26 de Maio de 2006

Rock que o pariu

 

Moro a menos de um quilómetro do local onde está a decorrer o Rock in Rio. Como se pode imaginar, vou passar cinco noites sem conseguir dormir.
 
Parece-me que nem as autoridades nem os organizadores se preocuparam muito para minorar a poluição sonora. A prova disso está na fotografia: se há dois anos a tenda electrónica se encontrava num local mais abrigado, agora ela foi colocada no ponto mais alto do recinto.
 
Para se ter uma ideia do nível de barulho, basta dizer que posso assistir aos concertos televisionados sem que o som do televisor me faça qualquer falta. Basta dizer que não preciso de música ambiente no momento em que escrevo estas linhas. Basta dizer que a música que vem do recinto está mais alta do que a que normalmente ouço em casa. Aliás, se ouvisse música neste volume, há muito que os meus vizinhos teriam chamado a polícia.
 
“Não sabe que não pode fazer tanto barulho? Não sabe que há leis contra o ruído a partir de uma certa hora da noite? Não acha que temos direito a descansar?” - diriam os meus vizinhos, justamente indignados com a minha atitude.
 
Pois bem, porque é que eu não posso fazer barulho e o Rock in Rio pode? As leis não são iguais para todos?
 
Pelos vistos não. Não faltará quem argumente que a organização reuniu todas as licenças e conta com o beneplácito das autoridades. Só que isto levanta outra questão: com que direito é que as autoridades me espoliam do direito de descansar?
 
Pelos vistos, os direitos dos cidadãos não pertencem aos cidadãos, mas ao Estado. O Estado é livre de espoliar os cidadãos dos seus direitos, desde que o prevaricador pague uns tostões. O Estado vendeu o meu direito ao descanso à organização do evento, sem sequer se preocupar muito em minorar o incómodo que este provoca à vizinhança.
 
Eis um retrato do país. O Estado, Todo-Poderoso, dispõe dos direitos dos cidadãos a seu bel-prazer. Vende-os (sem impor grandes regras) a quem os quiser comprar. E os lesados que vão para o rock que os pariu.

 

publicado por Carlos Carvalho às 22:26
link | comentar | favorito
2 comentários:
De joao a 29 de Maio de 2006
naaa... quem manda é o $$$, cada vez mais. Tens? Podes fazer barulho, não tens... aguentas, como todos os outros
Bom post, moro a uns 2,92 kms em linha recta - diz o Google - e também ouço bem.
Bom post!
De Flávio a 31 de Maio de 2006
Ninguém preza o sossego mais do que eu e sim, é verdade que os portugueses são uns selvagens no que respeita ao respeito pelo sono alheio. Mas não sou um fundamentalista do descanso. Não me repugna nada que um evento como o Rock in Rio possa ter lugar e produzir alguns decibéis: além da sua limitação no tempo (5 dias, não é assim?), é um evento com interesse público, não uma rave party privada de alguns vizinhos malcriados.

Flávio

www.a-bomba.blogspot.com

Comentar post

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds