Terça-feira, 9 de Maio de 2006

Onde estão os maias?

Uma das perguntas que ocorre a quem chega ao Iucatão é: onde estão os maias? A resposta é simples: estão onde sempre estiveram. A civilização maia sucumbiu, as pessoas não.
 
Os naturais da península do Iucatão consideram-se maias. E são-no. São-no na fisionomia, no orgulho pela sua história, em muitos dos seus costumes, na língua que continuam a falar entre si. E são-no também no distanciamento (recíproco) relativamente aos aztecas.
 
O México é predominantemente azteca, mas o Iucatão é sobretudo maia. As diferenças não são apenas culturais: estão estampadas nas suas caras, nos seus corpos, na sua fisionomia. Os aztecas que decidem ir viver para o Iucatão olham com desconfiança para os maias, e são olhados com desconfiança por estes.
 
Talvez esta desconfiança derive de uma espécie de quase racismo entre eles. Talvez derive das pulsões autonómicas (independentistas?) da península do Iucatão e da integração promovida (imposta?) pelo governo central dos Estados Unidos Mexicanos. A verdade é que o Iucatão foi em tempos independente. A verdade é que a sua permanência na federação mexicana foi em tempos imposta pelas armas.
 
Maias e aztecas coexistem pacificamente lado a lado. Mas só dificilmente se misturam.
 
publicado por Carlos Carvalho às 03:44
link | comentar | favorito

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds