Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2006

Fraude eleitoral

De acordo com uma notícia publicada há dias pelo Correio da Manhã, há cerca de 600 mil eleitores a mais nos cadernos eleitorais. Esta situação, tida como desleixo das juntas de freguesia, pode em último caso ser considerada uma fraude eleitoral.

Porque é que as juntas de freguesia não "limpam" os cadernos eleitorais com a celeridade necessária? Porque beneficiam com isso: mais eleitores significam mais subsídios e melhores salários. Dinheiro que, por causa de uma habilidade, é atribuído a quem não tem direito a ele, prejudicando assim quem o deveria receber.

Mas o problema maior é que esta falta de zelo pode levar à eleição indevida de mais vereadores e, em último caso, de mais deputados (neste caso, em prejuízo de outros círculos eleitorais).

Quantas vereações é que estão sobredimensionadas em Portugal? Quantos deputados é que estão indevidamente no Parlamento, no lugar daqueles cuja justa eleição não pôde ser reconhecida?

As fraudes eleitorais não se resumem a manobras com os boletins de voto. Ocorre uma frade eleitoral sempre que alguém ocupa indevidamente um lugar electivo - seja porque esse lugar não deveria existir, seja porque deveria pertencer a outrem.

Esta situação é inadmissível.

É inadmissível que, com a evolução dos recursos informáticos, a actualização dos cadernos eleitorais não seja automática.

É inadmissível que o controlo do sistema seja deixado exclusivamente nas mãos daqueles que mais beneficiam com a sua perversão.

tags:
publicado por Carlos Carvalho às 01:09
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds