Sexta-feira, 13 de Maio de 2011

Cinco contra um

As regras do tipo “saem cinco, entra um” que se pretendem aplicar à função pública têm duas consequências.

 

A primeira, óbvia, é a diminuição do número de funcionários.

 

A segunda, menos falada, é o aumento da idade média dos funcionários. Ou seja, o envelhecimento da função pública.

 

Quem quiser conhecer os efeitos a prazo deste tipo de medidas, basta-lhe dar uma volta pelo interior do país. Aí, há já muito tempo que são mais os que desaparecem do que os que nascem. Resultado: o interior está desertificado e envelhecido.

 

A prazo – a curto prazo – também a função pública corre esse risco. Pelo que quem defende estas medidas deveria anunciar o seu limite temporal e/ou o limiar de funcionários públicos a atingir.

 

Muitos serviços da administração pública deixarão muito em breve de ser viáveis. De serem capazes de cumprir as funções que lhes estão atribuídas. Por falta de pessoal e de know-how. Como manter estas funções na esfera do Estado se este não tem nem pessoal nem dinheiro para as manter?

 

Não é possível, a partir de um certo ponto, diminuir o número de funcionários públicos sem reduzir as funções que o Estado tem de assumir. Redução essa que, idealmente, deveria estar definida antes de se avançar para medidas do tipo “cinco conta um”.

publicado por Carlos Carvalho às 22:20
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds