Segunda-feira, 9 de Maio de 2011

Mútuo acordo

Dizem que é preciso reduzir o número de funcionários públicos. Mas como?

 

Como diria Futre, vai vir charters de funcionários públicos mortinhos para rescindir contrato e ir para o privado.

 

Portas e Passos Coelho usam palavras mais eloquentes mas de igual conteúdo: não vamos despedir, vamos antes propor rescisões por mútuo acordo.

 

Na actual conjuntura, não é preciso ser bruxo para adivinhar o sucesso desta medida.

 

A não ser que emulem Vito Corleone e digam aos funcionários públicos: we'll make you an offer you can't refuse.

publicado por Carlos Carvalho às 17:54
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds