Terça-feira, 16 de Outubro de 2007

Passageiro

Parece que Santana Lopes, tal como vinha ameaçando há meses, sempre vai avançar para a liderança da bancada parlamentar do PSD. Contando, aparentemente, com o apoio de Menezes. Aparentemente.

 

Partindo do princípio de que Menezes tem dois dedos de testa, estranha-se que este apoie para líder parlamentar precisamente a pessoa que lhe poderá fazer mais sombra dentro do PSD. Porquê então esta decisão?

 

Embora desejável, não é obrigatório que o líder parlamentar seja apoiado pelo líder partidário. Qualquer deputado pode tentar fazer uma OPA hostil à bancada parlamentar, embora seja sempre preferível que esta decorra de forma amigável.

 

É melhor para Santana avançar com o acordo de Menezes, o que lhe permite evitar fracturas partidárias e garantir uma eleição mais tranquila. É melhor para Menezes aparentar apoiar Santana, o que lhe permite apaziguar os deputados santanistas e ganhar tempo para consolidar a sua liderança.

 

Santana quer ser líder parlamentar. Pode sê-lo com ou sem o apoio de Menezes. Pelo que só restam a Menezes duas hipóteses: ou apoia Santana, passando a imagem de líder imprudente, ou se opõe à sua candidatura, passando a imagem de líder fraco.

 

Menezes esteve longe de sair do congresso com a sua liderança reforçada, pelo que tentará disfarçar ao máximo a sua irrelevância na escolha do líder parlamentar. Nesta escolha Menezes é passageiro, mas está a tentar tudo por tudo para parecer condutor.

publicado por Carlos Carvalho às 18:37
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds