Domingo, 14 de Maio de 2006

Subindo pirâmides

Um aviso para quem planear uma visita à península do Iucatão baseado em guias de viagens antigos ou em conselhos de quem lá esteve há anos: já não é possível subir às pirâmides como antigamente.
 
Talvez para evitar actos de vandalismo, talvez para garantir a sua preservação, o governo mexicano proibiu os turistas de subir à maioria das pirâmides. Perde-se uma experiência, mas ganha-se uma visão mais limpa dos monumentos.
 
Uma das poucas excepções é a pirâmide da fotografia, situada em Cobá. Menos vistosa (mas mais alta) do que outras pirâmides mais conhecidas, apenas uma das suas fachadas foi ainda resgatada à floresta. Subir os seus mais de 40 metros de altura não é tarefa fácil. Mas para a maioria (sobretudo para quem tenha vertigens) o difícil mesmo é descê-la. No dia em que lá estive, uma turista caiu da escadaria abaixo.
 
Diga-se contudo que o esforço é recompensado. Por um lado, as vistas são deslumbrantes. Por outro, ir às pirâmides e não as subir será para muitos como ir a Roma e não ver o Papa...

 

publicado por Carlos Carvalho às 05:24
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds