Segunda-feira, 10 de Abril de 2006

Paridade?

A lei da paridade proposta pelo PS tem por objectivo fixar em 33,3% a representação mínima de mulheres nas listas eleitorais. Para além da obrigação óbvia das listas conterem (pelo menos) um terço de mulheres, estas não poderão conter mais de dois candidatos do mesmo sexo colocados consecutivamente na sua ordenação.
 
Será que daqui resultaria um mínimo de 33,3% de mulheres no Parlamento? A resposta é: não.
 
Diga-se em abono da verdade que, no essencial, o PS já cumpriu o estipulado nesta lei aquando das últimas legislativas. Consequentemente, elegeu 35 mulheres no total de 122 deputados, o que corresponde a uma percentagem de 28,7%.
 
O que falhou então? Salvo algumas excepções, o PS optou sistematicamente por uma ordenação homem - homem - mulher nos lugares elegíveis (e mesmo mais além).
 
Admitamos que este critério tinha sido adoptado uniformemente por todos os partidos. O PS teria elegido 34 mulheres (27,9%), o PSD 19 (25,3%), a CDU 2 (15,4%), o BE 1 (12,5%) e o CDS 1 (8,3%). No total, o parlamento teria 57 mulheres em 230 deputados, o que corresponderia a uma percentagem de 24,8%.
 
Quantas mulheres foram eleitas nas últimas legislativas? 49, o que corresponde a uma percentagem de 21,3%. Ou seja, much ado about nothing. Cumprindo esta nova lei, é possível que tudo fique sensivelmente na mesma!
 
tags:
publicado por Carlos Carvalho às 20:57
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds