Domingo, 27 de Março de 2005

A tanga continua

Enquanto oposição, o PS procurou convencer o país de que a crise era uma questão de retórica (o discurso da tanga) e de que o limite de 3% do défice orçamental era apenas indicativo, não devendo por isso ser levado demasiadamente a sério. O país ficou convencido.

Ainda na oposição, o PS criticou Santana Lopes por ter mudado de discurso ao anunciar o fim da austeridade e da obsessão com o défice. Chegado ao governo, o PS anuncia o fim da austeridade e da obsessão com o défice. Será a saída da crise também uma questão de retórica?

José Sócrates limitou-se a anunciar medidas despesistas, adiando (para as calendas gregas?) as medidas, impopulares mas urgentes, que conduzam à diminuição da despesa. Com a revisão do PEC, a tentação para este adiamento será ainda maior.

Durão Barroso anunciou que Portugal estava de tanga. Portugal continua de tanga. Não queremos por isso que o governo nos dê a todos uma enorme tanga, para fazer pendant com a do país.

publicado por Carlos Carvalho às 18:31
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds