Terça-feira, 12 de Julho de 2005

E que tal uma ajudinha?

Está a tornar-se cada vez mais comum a exploração, por parte de alguns repórteres, dos dramas humanos causados por incêndios que chegam perto demais das populações.

Sempre que o fogo se aproxima dum palheiro, lá está um repórter pronto a dar-nos uma descrição do inferno mais colorida do que a da irmã Lúcia. Se por acaso as chamas chegam a destruir alguma habitação, então até os mais desatentos conseguem ver a saliva a escorrer da boca destes arautos do Apocalipse.

Em qualquer destes casos, é sempre visível o desespero das pessoas que estão na eminência de perder os seus haveres. É sempre visível a escassez de meios com que contam, dado os bombeiros não poderem estar em todo o lado. É sempre visível o esforço quase inútil destas pessoas para combater o incêndio com pouco mais do que uma mangueira e três baldes de água.

Mas lutam. Dão o seu contributo. Só se rendem quando já nada resta que fazer. E o que fazem os alegados repórteres? Vão debitando banalidades e frases sensacionalistas, ao mesmo tempo que vão procurando um melhor enquadramento para a televisão.

Sinceramente, ainda estou à espera do dia em que uma destas pessoas se dirija a um destes repórteres e lhe faça a seguinte pergunta: "Ó palhaço, e que tal se deixasses de atrapalhar e viesses aqui dar uma ajudinha?!"

Mas isto talvez seja pedir demais...

publicado por Carlos Carvalho às 22:52
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds