Quarta-feira, 9 de Novembro de 2005

Soares Carmona

soares carmona.JPG

Na campanha para a câmara de Lisboa, Carmona Rodrigues atacou Manuel Carrilho, acusando-o de ser filósofo. Na campanha para a Presidência, Mário Soares tem atacado Cavaco Silva, acusando-o de ser economista.

Num país em que tanto se clama contra a baixa formação dos seu cidadãos, parece estar na moda atacar candidatos a eleições por serem professores universitários.

Tal como a presidência de uma câmara municipal não é uma coutada reservada a engenheiros civis, também a Presidência da República não pode ser vista como uma coutada exclusiva para juristas. Aliás, entendo que a capacidade de um cidadão para exercer um cargo político depende mais das suas características pessoais do que da sua formação académica.

Claro que, havendo formação académica (seja ela qual for), esta só poderá ser bem-vinda. Quem acha que um torneiro mecânico pode ser Presidente da República não pode desdenhar da candidatura de um economista.

publicado por Carlos Carvalho às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

.autor

. Carlos Carvalho

. cesaredama@sapo.pt

.pesquisar

.artigos recentes

. Elites à rasca?

. Versões de Portas

. A maior de sempre?

. Fama

. Passos

. Escalões

. Obrigadinho

. Não entendo

. Coincidências

. O aleijadinho de Alijó

. Humor negro

. Calendário

. Manuais escolares em .pdf

. Guerra ao imposto

. Cuidado com os ciclistas ...

.arquivo

.sugestões

blogs SAPO

.subscrever feeds